Conecte-se Conosco

Após indícios de irregularidades, Procuradoria Federal pede apuração de conduta de superintendente do Incra em MT

Publicado

em

Denúncia foi encaminhada pela deputada Rosa Neide. Autarquia estaria retardando destinação de terras públicas à reforma agrária. Investigação deve apurar crimes e atos de improbidade

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC/MPF) pediu ao Ministério Público Federal no Mato Grosso para investigar a conduta do chefe da Superintendência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) no estado. A solicitação foi feita na segunda-feira (20), com base em representação encaminhada à PFDC pela deputada federal Professora Rosa Neide (PT).

A investigação vai apurar indícios de responsabilidade do superintendente da autarquia, bem como de outros agentes, quanto à ilegalidade de medidas que buscariam retardar a destinação de terras públicas à reforma agrária, inclusive em processos que já contam com decisões judiciais.

A conduta estaria resultando em renúncia de receita aos cofres públicos e em omissão quanto a medidas de combate a grilagem de terras, além de descumprimento do dever institucional da Superintendência quanto à promoção da reforma agrária.

De acordo com o documento encaminhado pela deputada e utilizado pela Procuradoria Federal para pedir a investigação, entre os exemplos da inoperância na retomada de áreas públicas, que estão destinadas à criação de assentamentos rurais está o caso da Fazenda Araúna, no município de Novo Mundo/MT.

O imóvel foi reconhecido pelo Programa Terra Legal como área pública ocupada por particulares que não poderia ser regularizada, o que levou o Incra, em 2008, a pedir a retomada das terras para a criação de um assentamento.

Em ação na Justiça, a União reivindicou a área e a sentença reconheceu a propriedade do ente federal, deferindo a tutela provisória para determinar a desocupação no prazo de 60 dias. No entanto, o atual superintendente do Incra teria passado a criar empecilhos para que a União tomasse posse das terras – como a não indicação de servidor para o protocolo de posse da área, a manifestação em ofícios que indicam o não interesse na terra pública e a atuação deliberada para não combater as irregularidades constatadas.

Situações semelhantes de omissão do órgão estariam ocorrendo em terras da Gleba Nhandu, Gleba Mestre I, Gleba Gama, Gleba Marzagão, Gleba Macaco e Gleba Ribeiro – áreas cuja destinação a assentamentos rurais vêm sendo buscadas por trabalhadores rurais na região.

Há também denúncias de irregularidades quanto ao fracionamento simulado de terras – que consiste em uma declaração falsa de que as parcelas de um imóvel são ocupadas por pessoas distintas, o que permitiria uma regularização mais barata ou gratuita de áreas ocupadas. É o que estaria ocorrendo na Fazenda Cinco Estrelas, inserida na Gleba Nhandu, e cuja divisão de áreas estaria sendo feita em nome de familiares, a fim de permitir a regularização indevida das terras.

Na solicitação feita ao Ministério Público Federal em Mato Grosso, a PFDC pede que sejam apuradas as medidas adotadas pela Superintendência do Incra à luz do que estabelece a legislação. A Procuradoria solicita, ainda, investigação de ilicitudes no âmbito penal e de improbidade administrativa, bem como medidas para assegurar a promoção do direito à reforma agrária.

TCU aponta omissão de órgãos federais – No documento à Procuradoria da República em Mato Grosso, a PFDC chama atenção para o recente acórdão do Tribunal de Contas da União (TCU) que aponta omissão dos órgãos federais na destinação de terras públicas regularizáveis às suas finalidades constitucionais.

No acórdão, o TCU demonstra o mau funcionamento do Programa Terra Legal, o descumprimento de preceitos legais e constitucionais e os impactos que isso acarreta sobre a crescente grilagem de terras na Amazônia Legal e o aumento do desmatamento da floresta.

Entre os apontamentos trazidos pelo Tribunal estão os prejuízos resultantes da ausência de medidas para a retomada de áreas já definidas pela justiça para a reforma agrária.  De acordo com o Tribunal, o conjunto de áreas nessa situação em todo o país totaliza 887 mil hectares, o que corresponderia a um valor de mais de R$ 2,4 bilhões.

“A postura da Superintendência do Incra no Mato Grosso se enquadra justamente nesse cenário de renúncia de receita e não destinação constitucional a terras públicas”, ressalta a PFDC ao apontar documento em que a autarquia decide pela suspensão do processo de obtenção de terras, inclusive em áreas públicas federais.

A Procuradoria dos Direitos do Cidadão também relaciona documentos expedidos pela Superintendência de Mato Grosso na qual a autarquia aponta a existência de “valores e diretrizes do Governo Federal” no que se refere à política agrária e fundiária, especialmente quanto à destinação das terras públicas. O documento não esclarece quais seriam esses valores e tampouco demonstram como a renúncia ao patrimônio público atenderia à finalidade constitucional e institucional do órgão.

“A abordagem sucinta do problema, sem atentar para os deveres do Incra na reforma agrária e na política agrícola, indica, em tese, uma omissão deliberada no dever de garantir a proteção daquele patrimônio, a ser investigada pelos órgãos com atribuição em combate à corrupção do MPF”, reforça a PFDC.

(Com Assessoria de Comunicação e Informação Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC) Ministério Público Federal)

Assessoria de Imprensa

Tags:
Clique para comentar

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Vamos conversar?