fbpx
Conecte-se Conosco

MP 1045: PT vota contra a minirreforma trabalhista que causará retrocessos incalculável à juventude brasileira

Publicado

em

Plenário – votação MP 1045 – Foto – Cleia Viana – Câmara dos Deputados

Com posição contrária da Bancada do Partido dos Trabalhadores, o plenário da Câmara aprovou nesta terça-feira (10), por 304 votos a 133, o texto-base da medida provisória (MP 1045/21) que, inicialmente, tinha o objetivo de criar programa emergencial de manutenção do emprego e renda em tempos pandêmicos. O substitutivo apresentado pelo relator, alterou o texto original que se transformou em uma minirreforma trabalhista. A deputada federal Professora Rosa Neide (PT) e toda bancada do partido votou contra.

Os parlamentares petistas classificaram a proposta como “retrocesso incalculável”. Segundo eles, o novo texto causa prejuízos aos trabalhadores e a juventude brasileira, faz mudanças profundas permanentes na CLT, dificulta acesso à justiça gratuita, permite exploração de jovens, precariza relação de trabalho, cria o subemprego, permite aumento da redução da jornada de trabalho e redução de salários.

Para a deputada Rosa Neide essa minirreforma propõe a criação de trabalhadores de segunda classe e favorecerá o trabalho análogo à escravidão. “Essa medida só ampliará o lucro dos patrões em detrimento dos trabalhadores”, criticou.

“O desfile real que o Bolsonaro está mostrando para o País, mas que quer esconder com isso, é o aumento do desemprego e da miséria. E esse projeto, em vez de ser um apoio ao emprego, na verdade, é uma Carteira Verde e Amarela que fragiliza e precariza o emprego”, criticou o líder da Bancada do PT, deputado Bohn Gass (PT-RS), fazendo um trocadilho com o desfile militar protagonizado por Bolsonaro na manhã de hoje (10).

Ao se pronunciar, o deputado Henrique Fontana (PT-RS) disse que o que se debateu não foi uma proposição com objetivo de gerar emprego e crescimento. “Ao contrário, isto aqui é para gerar desemprego, é para gerar paralisia na economia. Isto aqui é uma proposta para que a superexploração de jovens desempregue pessoas com mais idade que ainda estejam empregadas”, apontou.

Segundo Fontana, uma pessoa que está ganhando ente R$ 1000 e R$ 1.500 por mês, será demitido para que entre um jovem ganhando R$ 500, sem direito a décimo terceiro, sem direito nenhum benefício. “Isto aqui é uma espécie de volta progressiva à escravidão”.

Extinção do jovem aprendiz

A deputada Erika Kokay (PT-DF) condenou a MP que, segundo ela, além de precarizar as relações de trabalho, também afeta o programa Jovem Aprendiz, que foi aprimorado nos governos petistas de Lula e Dilma.  “Essa MP 1.045 precariza as relações de trabalho. Precariza e inclusive acaba com o Programa Jovem Aprendiz”, alertou.

O deputado Rogério Correia (PT-MG) afirmou que todas as centrais sindicais, de todos os matizes, estão contrárias a este projeto e levantaram vários pontos problemáticos. Segundo o parlamentar, matéria veiculada no Jornal Nacional, alertou que o Programa Jovem Aprendiz perde os seus direitos e que este programa será praticamente finalizado.

“E é verdade. Perde-se um programa que foi essencial para a formação destes jovens. Há mais outros dois programas em que os jovens vão trabalhar como escravos. Não existe nenhuma garantia de que, retirando os trabalhadores antigos, apenas novos trabalhadores entrarão no mercado de trabalho. Não existe essa garantia. Os jovens entrarão no lugar de trabalhadores que já têm direito, ou seja, jovens sem direito substituirão trabalhadores com direito. Isto precisa ser analisado com mais cautela”, sugeriu Correia.

Alistamento civil voluntário

O deputado Rogério Correia informou que a proposta de Alistamento Civil Voluntário, gestado pelo ministro do Emprego e Previdência, Onyx Lorenzoni (DEM), foi incluído na MP sem nenhum debate prévio. O programa versa sobre contratação de jovens entre 18 e 24 anos sem vínculo empregatício.

“Incluiu-se um novo programa que, aliás, foi anunciado mais recentemente pelo novo ministro do Trabalho, Onyx Lorenzoni. Ele anunciou, sem fazer a menor discussão do que é o programa, que pretende colocar jovens trabalhando com menos direitos”, alertou Correia.

O deputado Vicentinho (PT-SP) recordou-se que na história recente do Brasil as gerações vinham melhorando de condição de vida até aparecer Bolsonaro. “Portanto, nas novas gerações, nós teremos filhos mais pobres do que os pais, os jovens mais empobrecidos do que os seus pais, o que não é comum numa democracia jovem, em que buscamos a cada dia melhorar as condições de vida da nossa comunidade. Por isso, “não” a essa medida provisória da maneira que está. O discurso é gerar emprego. A prática é gerar morte, desemprego e sofrimento”, sentenciou. (Com PT na Câmara)

Assessoria de Imprensa

Deputada Federal Professora Rosa Neide (PT-MT)

Tags:
Clique para comentar

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Vamos conversar?